Mara Maravilha se diz vítima: ‘Bullying é aberração’

Cantora gospel diz que entrevista à TV foi ‘mal interpretada’ e segue batendo na tecla de que é vítima de preconceito por expor sua opinião contrária aos gays

Nota oficial da cantora gospel Mara Maravilha, ex-apresentadora infantilNota oficial da cantora gospel Mara Maravilha, ex-apresentadora infantil (Reprodução)

Em uma nota ambíngua, em que nega ter chamado os gays de “aberração” mas segue defendendo o seu direito de se posicionar contra eles, a cantora gospel e ex-apresentadora infantil Mara Maravilha procura se defender da repercussão negativa que teve a sua declaração, feita na manhã desta segunda-feira no programa Morning Show, da RedeTV!No matinal, Mara se disse admiradora do pastor Marcos Feliciano, presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) da Câmara dos Deputados, que na semana passada aprovou o projeto apelidado de cura gay , e usou de fato a palavra “aberração” para se dirigir ao relacionamento entre pessoas do mesmo sexo, além de se dizer vítima de “preconceito” por expor opinião contrária aos homossexuais.

“Não estou defendendo o Feliciano, mas o respeito a essa opinião, a democracia, a liberdade de expressão, porque tem muitos pais, muitas mães que não concordam com essa, sabe, essa aberração. Eu não concordo com homens ou mulheres em público ficarem se agarrando. Tem coisa que é particular”, disse Mara em entrevista ao matinal, mas um desses programas que ocupam a manhã das emissoras abertas com um arremedo de jornalismo e debate cultural.

Em resposta à repercussão negativa que teve, Mara Maravilha foi ao Facebook se defender e se justificar. Embora encerre a nota dizendo que não falará mais do assunto “porque o justo não se justifica”. “Estou sendo mal interpretada! Nunca disse que gay é aberração! Não levanto nenhuma bandeira política oportunista! Em todas essas calúnias contra mim, o que vai prevalecer é a minha conduta de respeito e amor ao próximo, sem fazer acepção de pessoas.”

“Aberração é falta de democracia e liberdade de expressão… Bullying é aberração”, continuou, se colocando como vítima. “Não vou me intimidar, continuo contando com o bom senso e a inteligência de todos independente de suas escolhas sexuais, religiosas e políticas. No demais, vai tudo bem, não pretendo comentar mais o assunto. Porque o justo não se justifica!”

Entenda o projeto – O texto do projeto de lei chamado de “cura gay” suspende trecho da resolução do Conselho Federal de Psicologia de 1999 que proibiu profissionais da área de colaborar com eventos e serviços que ofereçam tratamento e cura da homossexualidade, além de vetar manifestação que reforcem preconceitos sociais em relação aos homossexuais. Apesar de ser sempre relacionado ao pastor Marcos Feliciano, o projeto é de autoria do deputado João Campos (PSDB-GO).

Fonte :Veja

Deixe uma resposta