Após grande polêmica projeto nomeado ‘cura gay’ é arquivado.

joaocampos620A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (2) por votação simbólica requerimento do deputado João Campos (PSDB-GO), autor do projeto nomeado “cura gay”.

O projeto  permitia o tratamento por psicólogos de pacientes que quisessem “reverter” a homossexualidade.

Recentemente o Pastor Marcos Feliciano Presidente da Câmara dos Direitos Humanos, expressou através de seu programa sua indignação com a mídia a respeito do projeto.

LEIA MAIS  “A MÍDIA MENTE, NÃO EXISTE CURA GAY, HOMOSSEXUALIDADE NÃO É DOENÇA” MARCOS FELICIANO  FALA SOBRE PROJETO APELIDADO DE CURA GAY .

O Pastor Silas Malafaia que era a favor do projeto, chegou realizar uma grande mobilização na internet pedindo que fosse  enviado e-mails para todos os deputados federais solicitando aprovação do projeto.

LEIA MAIS  “Cura gay é mentira! A psicologia não cura, é uma questão de Direitos Humanos. Diga sim ao Projeto de Decreto Legislativo 234/11 “ 

Com a retirada de pauta, um projeto com o mesmo teor só poderá voltar a ser apresentado em 2014. Se o projeto tivesse sido votado e rejeitado pela maioria dos deputados, um texto semelhante só poderia ser protocolado na próxima legislatura, a partir de 2015. No último dia 18, o projeto tinha sido aprovado na Comissão de Direitos Humanos da Câmara.

A decisão de pedir o arquivamento do texto foi tomada por João Campos depois que o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-AL), anunciou a intenção de colocá-lo em votação nesta terça.

O objetivo de colocar em pauta era derrubar a proposta e, assim, atender a uma das reivindicações das manifestações de rua que se espalharam pelo país.

João Campos explicou , que pediu o arquivamento para que o projeto não fosse usado para “desviar o foco” dos protestos.

“Estão usando esse projeto para desviar o foco. O que os manifestantes querem é saúde, educação, o fim da corrupção. Estão querendo derrubar a proposta para desviar do assunto. Eu não vou deixar isso acontecer”, disse.

João Campos afirmou que o próprio PSDB, partido ao qual é filiado, anunciou publicamente ser contrário ao texto, o que inviabilizaria a aprovação da proposta.

Recentemente o Pastor Marcos Feliciano Presidente da Câmara dos Direitos Humanos, expressou através de seu programa sua indignação com a mídia.

Deixe uma resposta