Continua perseguição, igreja evangélica é invadida e resulta em mais de 80 mortos e 130 feridos.

Homem-bomba mata mais de 80 cristãos durante culto no Paquistão

A perseguição continua no Paquistão, neste domingo (22), ocorreu um dos ataques mais violentos contra os cristãos nos últimos 70 anos.

um país com cerca de  180 milhões, o  cristianismo reúne cerca de 2% dos de habitantes do Paquistão ,2 homens-bomba invadiram o culto em uma igreja cristã em Peshawar, norte do Paquistão, resultando em 81 mortos e 131 feridos. Entre as vítimas fatais estavam 37 mulheres e um número não divulgado de crianças.

A igreja evangélica fazia parte de uma das oito dioceses da igreja cristã do Paquistão, formada em 1970 como resultado da união entre luteranos, presbiterianos, metodistas e anglicanos. O templo da All Saints Church foi construído em 1883, quando a região ainda pertencia à Índia, sendo um dos mais antigos lugares de culto cristão no país.

“Cometemos o atentado suicida na igreja de Peshawar e continuaremos atacando os estrangeiros e não muçulmanos até que parem os ataques de drones”, explicou Ahmad Marwat, porta-voz do grupo.

Nesta segunda, cristãos em diferentes cidades do Paquistão, protestaram contra a violência e para pedir mais proteção das autoridades. Na capital Islamabad, mais de 100 manifestantes bloquearam a principal avenida da cidade durante várias horas nesta segunda-feira. “Todo cristão está se sentindo ameaçado no Paquistão”, disse Tahir Naveed Chaudhry, advogado e presidente da Aliança das Minorias Cristãs do Paquistão.

Comunidade cristã do Paquistão diz que está enfrenta crescente intimidação , bem como as ameaças de seqüestro e morte de extremistas islâmicos e até mesmo alguns grupos, muitas vezes vistos como mais mainstream.

“Todo cristão está se sentindo sob cerco no Paquistão”, disse Tahir Naveed Chaudhry, advogado e presidente da Aliança das Minorias do Paquistão cristã.

Após as terríveis imagens do ataque se espalharam pela mídia no mundo todo, vários grupos cristãos pediram orações pelo país. O primeiro-ministro do Paquistão, Nawaz Sharif, e o Presidente Mamnoon Hussein, condenaram fortemente o ataque, mas não anunciaram nenhuma medida. Com informações de L A Times e Washington Post e

Deixe uma resposta