Astrônomos descobrem primeiro asteroide brasileiro.

Objeto foi avistado do observatório Sonear, sigla para Southern Observatory for Near Earth Asteroids Research, em Oliveira, a 120 km de Belo Horizonte

Sequência de imagens da descoberta do asteroide 2014 KP4

Sequência de imagens da descoberta do asteroide 2014 KP4 (Reprodução)

Um grupo de astrônomos amadores descobriu o primeiro asteroide “brasileiro”.  O objeto foi observado pela primeira vez na semana passada, confirmado por outros observatórios ao redor do mundo e oficializado pela União Astronômica Internacional. Ele foi cadastrado provisoriamente como 2014 KP4, até que sua órbita seja mais conhecida pelos cientistas. O asteroide foi visto do observatório Sonear, sigla para Southern Observatory for Near Earth Asteroids Research, que fica perto de Oliveira, cidade a 120 quilômetros de Belo Horizonte, em Minas Gerais. O local foi construído por Cristóvão Jacques, Eduardo Pimentel e João Ribeiro, responsáveis pela descoberta.

Por seu tamanho e proximidade da Terra, o 2014 KP4 se encaixa na classificação de “asteroide potencialmente perigoso”: mais de 150 metros de diâmetro e menos de 7,5 milhões de quilômetros de distância da órbita terrestre. Com diâmetro estimado entre 200 e 600 metros, caso colidisse com a Terra esse asteroide causaria um impacto continental. Felizmente, apesar de sua classificação, os riscos de uma colisão são desprezíveis. “Ele não oferece nenhum perigo à Terra”, disse Jacques ao site de VEJA.

Pioneiro – Este é o primeiro objeto desta natureza descoberto no Brasil. Nos primeiros meses deste ano, a equipe já encontrou dois cometas a partir do mesmo observatório. O trio observa o céu desde o dia 18 de dezembro, em busca de objetos que passem perto da Terra. Eles tiram fotos à noite e, durante o dia, analisam o material. São os únicos a procurar objetos assim — que envolvem corpos que podem se chocar com a Terra — em atividade no Hemisfério Sul. “Esse é o objetivo do observatório, descobrir novos asteroides que passam perto da terra e monitorá-los para saber se podem apresentar risco de colisão”, afirma Jacques, alegando que a descoberta dos cometas foi ocorreu quase “por acaso”, porque não estava nos planos iniciais.

Leia também:

Colapso do Universo está mais perto do que nunca, afirmam físicos

Terra foi atingida por impacto duplo de ‘par de asteroides’, diz pesquisa

Asteroides perto da Terra estimulam investimentos contra catástrofes

Asteroide ‘potencialmente perigoso’ passou próximo da Terra nesta 2ª feira

Nasa prevê ‘chuva de ferro derretido’ e ‘neve’ de areia quente em estrela anã

Fonte : Veja

Deixe uma resposta