IGREJA X POLÍTICA

Aliados ou Inimigos?

Pastor Anderson Bravo

Anderson Bravo,casado com Edijane Bravo, pai de Anderson filho e Lyon Bravo. Escritor, conferencista internacional,pastor auxiliar na Assembléia de Deus Ministério Plena Unção

Assunto polêmico esse, sempre que participo de debates sobre o assunto vejo os lados bem convincentes, quem é contra tem respaldo bíblico para ser contra e quem é a favor usa a bíblia para se respaldar (chega ser engraçado).

Esse ano em nossa nação terá mais um pleito eleitoral em todas as cidades do nosso país, e aí surge às perguntas:

A igreja deve se envolver com a política?
Pastor pode vir candidato?

Antes de responder claramente, gostaria de pontuar ama questão que sempre me inquieta quando esse assunto é tratado.

Quem é a favor usa a figura de personagens como José, Davi, Daniel para pontuar sua convicção partidária, ao afirmar que  o cristão pode sim vir candidato.

E quem é contra afirma que “política é do Diabo”.

Ei! Nenhum desses argumentos é valido, o primeiro porque José, Daniel não foram candidatos (puderam escolher), o regime que viviam era completamente diferente da realidade e do método politico que temos.

Os que “demonizam” a politica entregam ao inimigo o que nunca foi dele, e ele só domina porque o povo de Deus não se posiciona.

Então vamos à questão:

A igreja é um o agente de Deus aqui na terra, o papel da igreja é anunciar o Reino de Deus e sua justiça, isso pode ser feito em qualquer ambiente, mas principalmente na pregação do evangelho, fomos salvos para falar de Jesus e apenas de Jesus.
O envolvimento insano de algumas instituições e respectivamente seus líderes produzem escândalos, e vergonha, pois a coragem que se tem para se apoiar um candidato (a) atravessa a linha da coerência. Quantas vezes vimos em nossos púlpitos gente que deveria estar lá sim para ouvir a palavra de Deus e receber uma oração, e não para discursar, e não usem a prerrogativa de que por ser autoridade merece ser honrada, que a honra não pode desonrar o outro, e se o Dono da Casa (no caso Cristo) está sendo desonrado, não há honra.

A coragem que se tem em plotar carros com a cara de candidatos não é a mesma para evangelizar. A exposição ao fazer alianças com pessoas que em pouco tempo se descobre que está envolvida em corrupção ofende a inteligência do povo, pois se somos um povo que temos discernimentos, como argumentamos que fomos enganados?(ou sempre soube e não quer admitir)

A igreja ajuda no processo eleitoral, em primeiro lugar ORANDO.

ANTES DE TUDO, pois, exorto que se use a prática de súplicas, orações, intercessões, ações de graças, em favor de todos os homens, em favor dos reis e de todos os que se acham investidos de autoridade, para que vivamos vida tranquila e mansa, com toda piedade e respeito. ISTO É BOM E ACEITÁVEL DIANTE DE DEUS, NOSSO SALVADOR” (1tm. 2:1-3).

Influenciar, recomendar, indicar, orientar é bem diferente de se envolver, se comprometer.

Ao ler essas primeiras linhas, alguém vai dizer: “Então o senhor é contra a igreja se envolver com a política?” “Politica é do Diabo”
Não, política não é do diabo, na verdade nada é do diabo, ele só se apropria daquilo que lhe entregamos.
Você pode pensar que meus pensamentos são confusos, na verdade penso que o que falta hoje é um pouco de coerência.
Não vejo problema em um irmão em Cristo se candidate (eu posso até vir a votar nele), o que me preocupa são as motivações, os argumentos e principalmente os desvios de conduta e moral por parte daqueles que chegaram à posição politica levantando a “bandeira evangélica” e quando lá estão envergonham o evangelho.
Então quer alguns conselhos?
Quer vir candidato? Venha!
Mas não faça campanha com o nome “Pastor Fulano”, sua ordenação e consagração são para o sacerdócio não para a politica;

Vem com apoio da igreja? Mas admita que você vá trabalhar para toda a população sem distinção, pois quem te elege não são os crentes ou não crentes, e sim cidadãos que pagam seus impostos independente de sua religião.

Seja justo, lute pelo que é certo, não faça acordos que beneficiam seu partido e suas alianças partidárias, mas prejudica o povo. Ai alguém vai dizer: “Mas ai não tem como?” ENTÃO NÃO ENTRE NESSA!
A igreja pode e deve influenciar sim todas as esferas sociais, desde que ela não perca sua real missão na terra: “Anunciar o Reino de Deus”
 “Quando o Justo governa o povo se alegra, mas quando o ímpio domina o povo geme.” (Pv. 29:2)
O problema é quando o ímpio está travestido de crente.

Não vim condenar, igrejas, irmãos que se envolvem em uma mistura de culto e showmício, convicções religiosas e interesses escusos.
Minha palavra é para que o povo de Deus tenha coerência.

Apoie, vote, mas não perca o foco.
Deus a todos abençoe
Anderson Bravo, Pastor.

 

Deixe uma resposta