Príncipe Charles pede que Deus dê força aos cristãos perseguidos na Síria

O príncipe Charles da Grã-Bretanha condenou o sofrimento contínuo da perseguição dos cristãos na Síria e rezou para que os crentes em todo o mundo tivessem a coragem de suportar mesmo as mais insuportáveis circunstâncias.

De acordo com Premier , durante um discurso proferido na quinta-feira (23), em homenagem a consagração de uma Igreja Ortodoxa Síria em Londres, o príncipe de Gales disse: “É certamente profundamente encorajador, num momento em que os membros da Igreja Ortodoxa Síria em seus países de origem da Síria E o Iraque estão passando por tão desesperadas provações e um sofrimento tão terrível, que na Grã-Bretanha a Igreja Siríaca é capaz de se expandir e ganhar força “.

O príncipe também descreveu a cerimônia como um “sinal notável de esperança para o futuro”, em meio à guerra civil seis anos em curso que matou mais de 400.000 pessoas e deslocadas milhões. Portas Abertas UK, uma organização de vigilância de perseguição, diz que os cristãos na Síria eo As regiões circunvizinhas não estão apenas sendo apanhadas na atual guerra civil, mas também estão sendo especificamente direcionadas pelo ISIS e outros grupos extremistas.

Syrian Refugees

(Foto: REUTERS / Abdalrhman Ismail)

Crianças deslocadas, que fugiram com suas famílias a violência da área islâmica controlada pelo estado de al-Bab, esperam enquanto estão presas na aldeia síria de Akda para atravessar a Turquia, 23 de janeiro de 2016.

Charles também rezou para que a congregação da Catedral e todos os membros da Igreja Ortodoxa Siríaca em todo o mundo fossem “abençoados com o tipo de coragem e fé que, em última análise, pode transcender a insuportável miséria e angústia que foram tão cruelmente infligidas a você, Uns e seus irmãos. “

Esta não é a primeira vez que o Príncipe expressou sua tristeza diante da situação do cristianismo no Oriente Médio, a região de seu nascimento. Em 2014, ele exortou líderes religiosos para garantir os crentes têm respeito por outras religiões, em vez de permanecer em silêncio sobre o sofrimento das minorias.

“É uma tragédia indescritível que o cristianismo está agora sob tanta ameaça no Oriente Médio”, disse ele. “Parece-me que o nosso futuro como uma sociedade livre – tanto aqui na Grã-Bretanha e em todo o mundo – depende de reconhecer o papel crucial desempenhado por pessoas de fé.

Ele também incentivou os governos a defender a liberdade de religião, mas observou que isso é muitas vezes desafiado, mesmo no Ocidente, acrescentando: “Infelizmente, em muitos outros países, a ausência de liberdade para determinar a própria fé é tecida nas leis e costumes Da nação “.

O príncipe disse que sua paixão pela liberdade religiosa está enraizada em sua fé cristã.

“Minha própria fé cristã me permitiu falar e ouvir pessoas de outras tradições, incluindo o Islã”, afirmou.

Syrian Refugees

(Foto: foto AP)
Crianças refugiadas sírias em um campo de refugiados turco.

Mais cedo, Charles expressou sua “profunda angústia” sobre as cenas terríveis do Médio Oriente e convidou a mídia para garantir que o mundo “não é permitido esquecer o horror gritante do que está acontecendo no Iraque e da Síria; não esquecer os nossos irmãos e Irmãs cuja fé está, literalmente, sob fogo, sem esquecer a inimaginável barbárie a que foram expostos, para não esquecer as muitas, muitas pessoas que foram assassinadas ferozmente ou que morreram fugindo da violência, para não esquecer aqueles que têm Perderam tudo, inclusive suas casas, sem esquecer que inúmeros milhares tiveram de deixar os lugares em que suas famílias viveram por inúmeras gerações “.

Fonte: gospelherald

Deixe uma resposta