Crime e corrupção no México Cristãos se posicionam contra a violência

De acordo com um estudo de 2015, 43 das 50 cidades mais perigosas do mundo estão na América Central e do Sul, incluindo Brasil, Venezuela, México, El Salvador e Honduras.

Umterço dos assassinatos ocorrem nesta parte do mundo. O contexto do crime organizado, a influência dos cartéis da droga, a corrupção em todas as esferas da sociedade para os picos mais altos dos estados, geram insegurança e violência dramática. Conhecemos os efeitos devastadores das políticas na Venezuela , que está atualmente à beira. As pessoas estão lutando para alimentar seus filhos por causa de uma inflação de 1000% .

O México é um país particularmente afetado pela violência relacionada ao tráfico de drogas. 69% dos  habitantes se declaram católicos e 19% como protestantes. As infames cidades fronteiriças de Tijuana, Ciudad Juárez e Matamaros são lugares altos de tráfico de drogas.

Um pastor do norte de Ciudad Juárez testemunha:

“Todos na igreja foram vítimas do cartel, ou de sua família, ou de seu conhecido, um amigo, um primo … Se alguém é seqüestrada ou ferida, ninguém vai falar diretamente sobre isso. igreja pelo medo de que os cartéis o aprendam. O pastor apenas diz: “Precisamos rezar para que esta família atravesse tempos difíceis”. “

Mas no cerne desta violência, 2 redes cristãs optaram por lutar contra a violência através da implementação de ações marcadas pelos valores cristãos. Eles inovam para mudar leis, treinar, capacitar, educar e evangelizar. Eles atuam na sociedade civil para reverter a violência em suas comunidades.

Esses cristãos correm grandes riscos de se exporem fisicamente nas ruas, mas também na mídia.

  • Os Anjos dos Mensageiros são baseados em Ciudad Juárez e se especializam em performances de arte de rua em cenas de crime. Eles pretendem denunciar cartéis, crimes e violência.
  • O Movimento pela Paz com Justiça e Dignidade  faz representações para denunciar a impunidade e a responsabilidade do governo. Seu fundador é um famoso poeta católico mexicano, Javier Sicilia. Ele fundou esta organização em 2011, depois que seu filho e 6 de seus amigos foram mortos pelo cartel. Ele abandonou a poesia em 2013 e escolheu usar sua notoriedade para alimentar o debate público em torno da legislação e da impunidade e divulgar a situação em todo o mundo.

    “Minha intenção era simplesmente apontar o horror dos crimes cometidos, bem como a reação defeituosa do governo […] Foi uma grande surpresa ver a resposta nacional. Como católica, acho muito sobre a graça, e foi uma chegada surpreendente da graça de Deus … Foi como a resposta à minha dor. “

 Com informações: infochretienne.com

Deixe uma resposta